MINHA CRENÇA

Creio que a Bíblia é a palavra inspirada de Deus e a autoridade máxima, revelando que Jesus Cristo é o Filho de Deus. Creio que o Homem é criado à imagem de Deus, para uma vida eterna através de Cristo. Embora todos os homens tenham pecado e careçam da glória de Deus, estando totalmente perdidos sem Cristo, Deus faz a salvação possível através da morte e ressurreição de Jesus Cristo. Creio que arrependimento, fé, amor e obediência são respostas necessárias e adequadas à graça de Deus estendida a nós, e que Deus deseja que todos os homens sejam salvos e venham a ter conhecimento da Verdade. Creio que o poder do Espírito Santo é demonstrado em nós e através de nós para o cumprimento do último mandamento de Cristo: “Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (Marcos 16.15).

Curso de Teologia

Uma família de testemunhas: Jcob, Peter e Georgi Vins


“É uma grande bênção quando os pais que dão aos seus filhos a luz apontam-lhes também a Cristo! (…) E se os pais são achados dignos de sofrer por Cristo e, agrilhoados, de beber até o fim o cálice da morte, então para seu filho ou filha seus feitos de fé (…) os chamarão a ser fiéis ao Senhor”, disse uma vez Georgi Vins.
Georgi foi um cristão perseguido da terceira geração. Seu pai, Jacob Wiens, era missionário para os russos nativos da Ucrânia. A perseguição dos czares, no século 19, o forçou a fugir para a Sibéria e, depois, para os Estados Unidos.
O pai de Georgi, Peter, seguiu o exemplo do ministério de Jacob. Seu ministério em Moscou e na Sibéria foi marcado pela perseguição sob o governo de Stálin. Sua primeira prisão aconteceu em 1930. Depois de cumprir três anos de prisão em campos de trabalho forçado, Peter foi temporariamente exilado na Sibéria. Quando foi preso pela segunda vez, os cristãos, intimidados pela polícia secreta, testemunharam contra ele. Embora Peter tivesse certeza que seria preso, a polícia o libertou. Mas sua liberdade foi curta. Ele foi preso novamente em 1936, e depois executado na prisão.
Georgi tinha oito anos quando seu pai foi preso pela última vez. Já adulto, tornou-se um dos líderes batistas da Rússia. Enquanto isso, o premiê soviético Nikita Krushchev aprovava várias leis antirreligião que restringiam a já limitada liberdade dos cristãos. Uma vez que as igrejas legalizadas eram controladas pelo governo, Georgi rompeu com as igrejas oficiais e formou sua própria congregação subterrânea.
Os mártires cristãos – as pedras ocultas da nossa fundação – preferem antes sofrer a morte do que negar a Cristo ou a Sua obra… sacrificam coisas muito importantes para promover o Reino de Deus… suportam grande sofrimento pelo testemunho cristão
Em 1966, Georgi se juntou a uma manifestação pacífica em Moscou, contra o controle do estado sobre as igrejas. Ele foi preso e sentenciado a três anos de trabalho forçado. Depois de sua libertação, ele continuou a pregar secretamente. Foi preso novamente em 1974 e sentenciado a cinco anos de trabalhos forçados, seguidos por mais cinco anos de exílio da União Soviética. Depois de sua libertação, perdeu sua cidadania soviética e foi exilado nos Estados Unidos. Morando agora em Elkhart, Indiana, ele continuou a ajudar os irmãos russos através da Ministério Evangélico Russo Internacional. Como seu pai e seu avô, Georgi Vins sofreu voluntariamente pela causa de Cristo até sua morte, em 1988.
Fontes: Cox, Caroline e Catherine Butcher. Livro Cox dos modernos santos e mártires.

Nenhum comentário:

Postar um comentário