MINHA CRENÇA

Creio que a Bíblia é a palavra inspirada de Deus e a autoridade máxima, revelando que Jesus Cristo é o Filho de Deus. Creio que o Homem é criado à imagem de Deus, para uma vida eterna através de Cristo. Embora todos os homens tenham pecado e careçam da glória de Deus, estando totalmente perdidos sem Cristo, Deus faz a salvação possível através da morte e ressurreição de Jesus Cristo. Creio que arrependimento, fé, amor e obediência são respostas necessárias e adequadas à graça de Deus estendida a nós, e que Deus deseja que todos os homens sejam salvos e venham a ter conhecimento da Verdade. Creio que o poder do Espírito Santo é demonstrado em nós e através de nós para o cumprimento do último mandamento de Cristo: “Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (Marcos 16.15).

Curso de Teologia

VALE TUDO PARA PREGAR A CRISTO?

 




VALE TUDO PARA PREGAR A CRISTO?

Um amigo no Twitter me perguntou faz um tempo se Filipenses 1:18 não justificaria o evangelho gospel e o show gospel. E mais recentemente vejo pessoas usando o mesmo texto para justificar a construção do "templo de Salomão" pela Universal.

Para quem não lembra, Paulo diz o seguinte em Filipenses 1:15-18:

“Alguns, efetivamente, proclamam a Cristo por inveja e porfia; outros, porém, o fazem de boa vontade; estes, por amor, sabendo que estou incumbido da defesa do evangelho; aqueles, contudo, pregam a Cristo, por discórdia, insinceramente, julgando suscitar tribulação às minhas cadeias. Todavia, que importa? Uma vez que Cristo, de qualquer modo, está sendo pregado, quer por pretexto, quer por verdade, também com isto me regozijo, sim, sempre me regozijarei” (Fp 1:15-18).

A interpretação popular desta passagem, especialmente desta frase de Paulo no verso 18, “Todavia, que importa? Uma vez que Cristo, de qualquer modo, está sendo pregado, quer por pretexto, quer por verdade, também com isto me regozijo, sim, sempre me regozijarei” – é que para o apóstolo o importante era que o Evangelho fosse pregado, não importando o motivo e nem o método. A conclusão, portanto, é que podemos e devemos usar de todos os recursos, métodos, meios, estratégias, pessoas – não importando a motivação delas – para pregarmos a Jesus Cristo. E que, em decorrência, não podemos criticar, condenar ou julgar ninguém que esteja falando de Cristo e muito menos suas intenções e metodologia. Vale tudo.

Então, tá. Mas, peraí... em que circunstâncias Paulo disse estas palavras? Ele estava preso em Roma quando escreveu esta carta aos filipenses. Ele estava sendo acusado pelos judeus de ser um rebelde, um pervertedor da ordem pública, que proclamava outro imperador além de César.

Quando os judeus que acusavam Paulo eram convocados diante das autoridades romanas para explicar estas acusações que traziam contra ele, eles diziam alguma coisa parecida com isto: “Senhor juiz, este homem Paulo vem espalhando por todo lugar que este Jesus de Nazaré é o Filho de Deus, que nasceu de uma virgem, que morreu pelos nossos pecados e ressuscitou ao terceiro dia, e que está assentado a direita de Deus, tendo se tornado Senhor de tudo e de todos. Diz também que este Senhor perdoa e salva todos aqueles que creem nele, sem as obras da lei. Senhor juiz, isto é um ataque direto ao imperador, pois somente César é Senhor. Este homem é digno de morte!”

Ao fazer estas acusações, os judeus, nas próprias palavras de Paulo, “proclamavam a Cristo por inveja e porfia... por discórdia, insinceramente, julgando suscitar tribulação às minhas cadeias” (verso 17).

Ou seja, Paulo está se regozijando porque os seus acusadores, ao final, no propósito de matá-lo, terminavam anunciando o Evangelho de Cristo aos magistrados e autoridades romanos.

Disto aqui vai uma looooonga distância em tentar usar esta passagem para justificar que cristãos, num país onde são livres para pregar, usem de meios mundanos, escusos, de alianças com ímpios e de estratégias no mínimo polêmicas para anunciar a Cristo. Tenho certeza que Paulo jamais se regozijaria com “cristãos” anunciando o Evangelho por motivos escusos, em busca de poder, popularidade e dinheiro, pois ele mesmo disse:

“Porque nós não estamos, como tantos outros, mercadejando a palavra de Deus; antes, em Cristo é que falamos na presença de Deus, com sinceridade e da parte do próprio Deus” (2Co 2:17).

“Pelo que, tendo este ministério, segundo a misericórdia que nos foi feita, não desfalecemos; pelo contrário, rejeitamos as coisas que, por vergonhosas, se ocultam, não andando com astúcia, nem adulterando a palavra de Deus; antes, nos recomendamos à consciência de todo homem, na presença de Deus, pela manifestação da verdade” (2Co 4:1-2).

“Ora, o intuito da presente admoestação visa ao amor que procede de coração puro, e de consciência boa, e de fé sem hipocrisia. Desviando-se algumas pessoas destas coisas, perderam-se em loquacidade frívola, pretendendo passar por mestres da lei, não compreendendo, todavia, nem o que dizem, nem os assuntos sobre os quais fazem ousadas asseverações” (1Ti 1:5-7).

“Se alguém ensina outra doutrina e não concorda com as sãs palavras de nosso Senhor Jesus Cristo e com o ensino segundo a piedade, é enfatuado, nada entende, mas tem mania por questões e contendas de palavras, de que nascem inveja, provocação, difamações, suspeitas malignas, altercações sem fim, por homens cuja mente é pervertida e privados da verdade, supondo que a piedade é fonte de lucro” (1Ti 6:3-5).

“Eu, irmãos, quando fui ter convosco, anunciando-vos o testemunho de Deus, não o fiz com ostentação de linguagem ou de sabedoria. Porque decidi nada saber entre vós, senão a Jesus Cristo e este crucificado. E foi em fraqueza, temor e grande tremor que eu estive entre vós. A minha palavra e a minha pregação não consistiram em linguagem persuasiva de sabedoria, mas em demonstração do Espírito e de poder, para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria humana, e sim no poder de Deus” (1Co 2:1-5).

Portanto, usar Filipenses 1:18 para justificar esta banalização pública do Evangelho é usar texto fora do contexto como pretexto.


Desde que a internet se popularizou no Brasil, a relação evangélicos e ambiente web sempre foi algo interessante de ser observada, começando pelos “power points” enviados via e-mail, passando pela leitura de análises de CDs no Supergospel até chegar nos recados coloridos e as discussões e paqueras nas comunidades no Orkut. Em todos esses ambientes o comportamento dos crentes nunca foi muito diferente do que se via lá fora, no ambiente off-line.

No entanto, foi a partir de 2011 com a ascensão do Facebook no país que esse quadro começou a mudar. Com a vantagem da ampliação do poder comunicativo, uma vez que mais pessoas leem as publicações, veio a desvantagem de mais pessoas falando o que bem entendem, sem amor, ética e qualquer compromisso com a verdade. Infelizmente, esse comportamento totalmente desprovido de virtudes morais e espirituais atingiu de maneira veemente os cristãos da rede.


Hoje em dia, basta acessar o Facebook para ver na timeline ou em grupos de discussões uma infinidade de debates acerca de controversas teológicas. O problema é que quase sempre nesses debates uma parte dos internautas acaba saindo extremamente satisfeita, com sentimento de dever cumprido e vitorioso (inclusive aplaudido pela plateia teológica), enquanto a outra parte sai profundamente triste e machucada. Dentre os grupos que já visualizei nesses debates estão os:


Reformados > Aqui não falo a respeito daqueles reformados sérios, que acima de Calvino e Lutero amam a Cristo e este crucificado. Refiro-me aqui aos “neo-reformados”, que da chatice à arrogância podem ser comparados aos “neo-ateus”, onde tudo que sabem é ridicularizar e humilhar os irmãos que tem pouco ou nenhum conhecimento básico acerca da reforma e da história da igreja. Jamais incentivam o estudo, somente repelem os irmãos com menor conhecimento;


Esperandetes > São aqueles adeptos de movimentos do tipo “Eu Escolhi Esperar” e afins. É óbvio que não dá pra generalizar, mas alguns desses crentes gostam de discutir e tentam provar que os que não fizeram semelhante escolha estão errados e em pecado. Depositam nas costas dos que “não escolheram” um pesado fardo de culpa e medo. Orgulham-se de sua “santidade” ao seguir uma “regra” que nem mesmo se encontra na Bíblia;


Anti-igreja > Esses gostam de chamar de burros todos os crentes que ainda se envolvem e empenham seus esforços em comunidades locais. Leem a bíblia procurando versículos e brechas que justifiquem seu ódio às comunidades;


Anti-religião > Os crentes “anti-religião” gostam de bater nos crentes que levam a sério os ritos e dogmas eclesiásticos. No entanto, se orgulham tanto de serem anti-religião que nem ao menos conseguem perceber que são religiosos ao contrário e fizeram da sua não religião uma religião que seguem com o mesmo empenho dos religiosos tradicionais;


Senso-comum > São aqueles que seguem a maré da última moda evangélica. Acreditam piamente em métodos e que os movimentos e rumos que a igreja (sim, com i minúsculo) tomam são orquestrados pelas mãos de Deus. Nunca se dão ao trabalho de meditar, refletir, discernir ou investigar nada, apenas refutam opiniões com argumentos vazios e superficiais do tipo “não julgue”, “você tem que ter intimidade com Deus”, “tá faltando oração” e etc.

Fico a pensar quando foi que passamos a ser tão arrogantes e presunçosos a este ponto. Esse comportamento gera duas consequências: orgulho espiritual e irrelevância social. Orgulho espiritual pois essas pessoas passam a se achar melhor do que as outras que não pensam como elas, e ficam apenas apontando o dedo e julgando comportamentos e cosmovisões. Irrelevância social pois quando reduzimos nossa fé a debates dentro das paredes do mundinho evangélico, a Igreja acaba sendo suprimida por questões irrelevantes. Foi por isso que Paulo orientou Timóteo a se afastar das conversas inúteis, pois os que fazem isso pegaram o caminho ruma a impiedade (2 Timóteo 2:16). Isso porque, não importa quanta gente você convenceu da sua teologia, mas o quanto você viveu pregando o evangelho e amando pessoas.

Diante disso, o que nos resta? Nada mais do que levantar acima de tudo a bandeira do evangelho salvador de Jesus Cristo. Insisto, precisamos urgentemente abaixar as bandeiras teológicas e levantar a bandeira do evangelho de Cristo e do amor ao próximo. Retornar às escrituras e as bases mais fundamentais da nossa fé é preciso: o amor a Deus, o amor ao próximo e a pregação do evangelho (Marcos 12: 29 a 31 e 16:15). Fazendo isso no mundo real e virtual, estaremos nos despojando do orgulho espiritual e tomando a trilha da relevância social plena, que no fundo, é o que Jesus idealizou para sua Igreja.

O deus da religião




Não sei bem como falar do deus da religião, pois esse é produto daqueles que são religiosos. E com sinceridade diante de todos vocês, não sei se sou ou não um religioso, mais um que não pensa da mesma forma que todos os demais ou se sou apenas um diferente pertencente ao mesmo grupo.

Explico. Religião, no original, tem um significado até compreensível, “religare”, que na prática quer dizer o anseio ou prática de que utilizamos para alcançarmos a Deus. Na verdade é uma “parada” boa, ou pelo menos de aparência boa, somos nós fazendo algo para que Deus se aproxime dos envolvidos.


O religioso, que entende o que é religião, pratica as coisas para que Deus atue em seu favor, aja em seu benefício e esteja mais próximo.

O problema é que com Deus as coisas são um pouco diferentes, Ele é totalmente outra coisa. Nenhum significado, rito ou definição poderão aprisioná-lO ou obrigá-lO a fazer algo ou deixar de fazer.

Deus não mandará um namorado porque você está a seis meses sem beijar na boca, mesmo que você leia todos os textos do “EEE”. Deus não se sente obrigado a te dar uma casa por você pagar o carnê dos pastores da televisão.

Entendendo isso, quero dizer que o deus da religião não existe.

O Deus que “É”, antes de tudo e apesar de tudo, é de quem precisamos falar.

O deus da religião conforta seu ego, mesmo que seja para dizer quão bons são os “textos” que você escreve, os livros que você lê, os sermões que você prega e as críticas que faz.

Precisamos ter cuidado para não confundir revolta pessoal com aquilo que Deus deseja falar e não confundir torcida com fé, seletividade de acontecimentos com confirmação de Deus e elogios como sinal do que Deus determina.

Que a gente aprenda então, que com o Pai, nessa relação, não somos o pontapé inicial, mas os alcançados imerecidamente. Não somos os protagonistas, mas os coadjuvantes para que autor e consumador da fé receba a glória, majestade, poder e louvor para sempre.

E se perguntarem sobre o deus da sua religião, responda: o meu Deus é o Deus desconhecido (Atos 17.23), que É o que É (Ex. 3.14).

Que Deus te abençoe. Graça e paz.